PEDAGOGIA – Profissão do futuro

Quando começamos a aprender? Quando nos tornamos alunos? Quando iniciamos a jornada do aprendizado que nos conduzirá a uma profissão?

Pois bem, alguns profissionais acreditam ter começado sua carreira quando ingressaram nos cursos de graduação, onde aprenderam sua profissão – médicos, advogados, enfermeiros, engenheiros, entre tantos outros. Ah, tem professor também. Aliás, tem pedagogo também!

O que vemos, no entanto, é um descrédito, uma visão de “coitadismo” para aqueles que escolhem a pedagogia como carreira; para aqueles que, ao invés de trabalhar, apenas darão aulas.

Quero lembrar a todos que nenhum profissional chegaria à graduação sem ter aprendido pelas mãos de um professor quando estavam na infância e depois na adolescência. Aqui me refiro ao pedagogo, mas reforçando o papel de todo professor, responsável pelas transformações dos saberes de muitos.

Antes para lecionar aos pequenos bastava o magistério, curso em nível médio para formação de docentes. Com a mudança de legislação a pedagogia passou a ser condição necessária para este exercício.

Com isso o olhar para a profissão mudou um pouco, ainda que insistam em menosprezar o papel do pedagogo, do professor, em uma sociedade que se deseja mudar sem a valorização destes profissionais.

A pedagogia é a ciência que estuda os princípios da educação, envolvendo um conjunto de métodos, saberes e processos voltados para a formação integral do ser, para o desenvolvimento do processo (inseparável) de ensino e aprendizagem (quem ensina, ensina algo a alguém) com vistas ao pleno e autônomo desenvolvimento de seus aprendizes.

Por muitas décadas, o pedagogo tinha sua carreira restrita às escolas, no espaço restrito das salas de aula, coordenação ou gestão escolar; sempre com atividades relacionadas ao ambiente escolar, em instituições formais de ensino.

Vale ressaltar que o papel do pedagogo vai além da sala de aula, uma vez que, com formação adequada, ele se torna um especialista em educação, alguém que precisa e deve pensar a educação, propondo caminhos e mudanças para o desenvolvimento integral do ser humano.

Na atualidade, ainda que muitos pedagogos não se apercebam disso, o campo de atuação se ampliou, tendo espaço para atuação no mundo corporativo, junto com o RH, atuando e organizando treinamentos e outras atividades para desenvolvimento profissional; há espaço para atuação em ONGs, na pedagogia social, na pedagogia hospitalar, em museus, em brinquedotecas, na pesquisa e desenvolvimento de mídias educativas, cursos e materiais para ensino presencial ou a distância, além de consultorias, cursos e palestras.

Mesmo diante deste novo cenário, há aqueles que procuram o curso de pedagogia porque gostam de crianças. Isso não é pré-requisito! Pelo contrário aponta um olhar de cuidador e não de um profissional de educação – o pedagogo. É certo que lidar com crianças e adolescentes faz parte do papel do professor, mas não se pode limitar o olhar profissional a isso.

A carreira do pedagogo, assim como a de todo professor, exige rigor em sua formação, pesquisa, aprendizado constante e atuação efetiva na educação, com vistas ao seu desenvolvimento, passando longe da visão romântica de que basta gostar de crianças ou de “dar” aulas.

Ao ampliarmos o olhar para a carreira da pedagogia podemos apontar o seu papel dentre as profissões do futuro pois, sem pedagogos atuando na educação básica não será possível a formação de profissionais em níveis superiores aptos para exercitarem, com qualidade, suas profissões.

Antes de um trabalho de conclusão de curso, o aprendiz precisa aprender a ler e a escrever e esse aprendizado tem início lá na educação básica.

É desta forma que a pedagogia precisa ser vista e respeitada: como uma das profissões do futuro e não com a visão simplista, depreciativa como presenciamos em algumas propagandas e manchetes que colocavam a carreira do professor como um bico ou complemento de renda.

Sem professores não conseguiremos construir uma sociedade justa, igualitária e com pessoas que façam uso de suas capacidades intelectivas para aprender e mudar a sociedade em que se encontram.

Sejamos pedagogos, professores engajados por uma educação melhor e, principalmente, por uma imagem melhor de nossa profissão em uma sociedade que quer caminhar para o futuro.

ROBSON SANTOS, setembro/2017.

Disponível em: <www.professorrobsonsantos.com.br/2017/09/05/pedagogia-profissao-do-futuro/>. Acesso em: 1 out. 2017.

Sobre o professor Robson Santos:

Doutorando em Design, pela Universidade Anhembi Morumbi.

Mestre em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie

Graduado em Pedagogia pela UNISA.

Ator e Educador Brincante pelo Instituto Brincante.

Especialista em Folclore Brasileiro pela Associação Brasileira de Folclore.

Professor universitário em cursos de graduação e pós-graduação com experiência nas áreas de Educação, Artes e Design, atuando principalmente em metodologias ativas de ensino, cultura popular e pesquisa em design vernacular.

Palestrante motivacional com ampla experiência em desenvolvimento de equipes, liderança e formação de professores.

[Total: 2    Média: 5/5]
Tags

Deixe uma resposta